terça-feira, 25 de outubro de 2011

A chuva ainda cai, a distancia ainda aumenta.



Preciso que você entenda que a noite já caiu há algum tempo, assim como ontem e na semana anterior. Nesta noite assim como nos dias passados você não estava aqui, mas não posso culpá-lo, afinal quando o sol nasceu eu também não estava contigo. Entende que sou adaptável? Você precisa aprender que se você sumir assim sinto dor, mas meu corpo sabe como ser inerte tão bem quanto a chuva sabe escorrer. Estamos sem tempo para nós não é mesmo? Não estou triste, estou cansada. Não sei como correr contra o tempo tão exausta assim, correr me desgastaria demais, mas eu sei que preciso. Você está saindo! Esses tempos me assustam. Por isso vou apagar a luz e esquecer-te por hoje, será que amanhã ainda lembro? Não sei se é o escuro, mas agora eu sinto medo.

4 comentários:

Fique mais um segundo... disse...

Oi, Jéssica, bom dia!!
Impressionante, neste texto, sua capacidade de lidar com os sentimentos e as imaginações.
Às vezes é mesmo verdade que não queremos estar tristes, mas já estamos cansados, e o medo da dor nos amarra. Não queremos perder, mas como conviver com o que não sabemos exatamente se temos?!
Lindo texto, um verdadeiro poema.
Um abraço carinhoso
Leo

k. sαmαnthα disse...

Teve um tempo que eu estava dessa mesma forma,
sentindo falta, sumindo, esquecendo.
E tbm tinha mt medo, mas acho que o escuro já se acabou.
E todos passam por isso, acho que são aquelas fases da vida. rs

Belas palavras, moça. ;*
http://changesl.blogspot.com/ -

Angella Reis disse...

Encontrei teu blogue meio que por acaso e passei a ler os textos. Gostei bastante das tuas linhas, da forma como se expressa. Provoca-nos os sentidos. Um belo texto! bjs

Marcos de Sousa disse...

Sentir medo é normal, principalmente quando se estar a perder quem se ama. Parece que tudo desmorona...

Beijos